InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Login  

Compartilhe | 
 

 TCU/ACE/2004

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: TCU/ACE/2004   Seg 14 Abr 2008, 19:36

Considerando as fontes e os princípios constitucionais do direito administrativo e a organização administrativa da União, julgue os seguintes itens.


181 A jurisprudência e os costumes s ão fontes do direito administrativo, sendo que a primeira ressente- s e d a falta de
caráter vinculante, e a segunda tem sua influência relacionada com a deficiência da legislação.

182 O princípio da eficiência relaciona-se com o modo de atuação d o agente e com o modo de organização e Estruturação da administração pública, aspectos cujo conteúdo identifica-se com a obtenção de melhores resu l t ados na relação custo versus benefícios e com o satisfatório atend imento das necessidades do administrado.

183 A expressão regime jurídico-administrativo, em seu sentido amplo, refere- s e tanto aos regimes de direito público e de direito privado a que se submete a ad mi n i stração pública quant o ao regime especial que assegura à Administração pública prerrogativas na relação com o administrado.

184 Nas sociedades de economia mista interventoras no domín io econômico, uma compra relacionada com sua atividade-fim exige licitação, ao passo que a relacionada com sua atividade meio dispensa o procedimento licitatório.

185 O controle das empresas estatais cabe ao ministério a q u e estiverem vi n culadas e se materializa sob a forma de
supervisão, estando previstos, ainda, na Constituição Federal de 1988, outros instrumentos de controle que são aplicados de acordo com as condições nela estabelecidas.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Seg 14 Abr 2008, 19:37

Julgue os it en s subseqüentes, relativos aos atos administrativos.

186 Ato complexo é o ato que se aperfeiçoa pela manifestação da vontade de dois órgãos, sendo a vontade de um instrumental em relação à vontade do outro, que edita o ato principal.

187 A discricionariedade do ato administrativo decorre da possibilidade legal de a administração pública poder escolher entre mais de um comportamento, desd e q u e avaliados os aspectos de conveniência e oportunidade.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Seg 14 Abr 2008, 19:37

Com r e lação a licitações e a contratos administrativos, julgue os itens a seguir.

188 Em raz ão do princípio da individualização da pena, não é possí v el a aplicação da teoria da desconsideração da pessoa jurídica para que os efeitos da sanção administrati v a de declaração de inidonei d ad e para co n t rat ar com a adminis t ração pública sejam estendidos a uma nova sociedade constituída, embora ela tenha mesmo objeto soci al , mesmos sócios e mesmo endereço de outra empresa punida com essa sanção.

189 O princípio do julgamento ob j etivo relaciona-se com os dispos i t i v o s da Lei n.º 8.666/1993, que estabelecem os critérios de julgamento das propos t as com base no tipo de
licitação, materializa-se no edital da licitação, no qual são definidos os critério s para a pontuação dos participantes do certame ou para a seleção da proposta mais vantajosa.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Seg 14 Abr 2008, 19:38

190 Na rescisão do contrato em razão de inadimplemento do particular, a administração pública deve demonstrar a ocorrência de uma das hipóteses l eg ais que constituem
motivo d e rescisão de contrato e o vínculo entre a conduta e a lesão ao interesse público.

191 Em todos os contratos administrati v o s relativos a obras, devem estar estabelecidas obrigatoriamente duas etapas de recebimento do o b jeto: a do recebimento provisório e a do
recebimento definitivo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Seg 14 Abr 2008, 19:39

Com relação a agentes públicos e a serviços públicos, julgue os itens que se seguem.

192 Considerando q ue um servidor tenha ingressado no serviço público em 20/2/2004 e tenham sido averbados, junto ao órgão, 20 anos de contribuição para o regime geral de
previdência, caso ele venha a falecer em 4/3/2004, o valor do benefício de pensão por morte a ser pago a seus dependentes será igual a 20 trinta e c i n co avos da remuneração que ele percebia no cargo efetivo.

193 O processo disciplinar pode ser revisto de ofício, quando se aduzirem fat o s novos ou circunstâncias suscetíveis de justificarem a inocência do punido ou a inadequação da
penalidade aplicada.

194 O contrato de concessão é ajuste de direito administrativo, bilateral, oneroso e comutativo, mas não p o s s u i caráter intuitu personae.

195 Os requisitos do serviço público identificam-se com o conteúdo dos princípios da permanência ou continuidade, da generalidade, da eficiência, da modicidade e da cortesia.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Seg 14 Abr 2008, 19:40

Com relação a domí n i o público e responsabilidade civil da administração pública, julgue os seguintes itens.


196 Os bens dominiais ou do p atrimônio disponível podem ser afetados a uma utilidade pública, por ato administrativo ou por lei.

197 Segundo entendimento jurisprudencial, a imprescritibilidade é qu al i dade apenas dos bens de uso comum do povo e dos bens de uso especial.

198 A ação reg r essiva da administração pública contra o agente público causador direto de dano a particular, indenizado pela administração por força de condenação judicial, extingue-se, não se transmitindo aos herdeiros, no caso de falecimento desse agente.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Seg 14 Abr 2008, 19:40

Acerca d o p ro cesso administrativo, de acordo com a Lei n.º 9.784/1999, julgue os itens subseqüentes.

199 A intimação do interessado para ciência de decisão o u a efetivação de diligências podem s er efetuadas por qualquer meio que assegure a certeza da ciência do interessado.
200 Em sendo o órgão coleg i ado competente para decidir sobre

recursos administrativos, ele poderá, por força de disposição legal, delegar essa competência ao respectivo presidente.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: GABARITO   Seg 14 Abr 2008, 19:42

GABARITO:

181-C; 182-C; 183-E; 184-E; 185-C; 186-E; 187-C; 188-E; 189-C; 190-C; 191-E; 192-E; 193-C; 194-E; 195-C;
196-C; 197-E; 198-E; 199-C; 200-E
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
oculto
classe C
classe C


Número de Mensagens : 369
Data de inscrição : 05/01/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Sex 18 Abr 2008, 12:51

xlaine escreveu:
Considerando as fontes e os princípios constitucionais do direito administrativo e a organização administrativa da União, julgue os seguintes itens.

181 A jurisprudência e os costumes s ão fontes do direito administrativo, sendo que a primeira ressente-se da falta de caráter vinculante, e a segunda tem sua influência relacionada com a deficiência da legislação.

Que prova chata!!!! Eu marcaria errado mas o gabarito dá a questão como verdadeira. Fiquei na dúvida quanto a afirmação "a jurisprudência ressente-se da falta de caráter vinculante".

Só deu pra entender depois de consultar o dicionário. A palavra ressentir também pode significar "sofrer as conseqüências de algo". Acho que ele quer dizer que a jurisprudência sofre as conseqüências da falta de caráter vinculante. O que é verdadeiro. Apenas a súmula do STF tem caráter vinculante, a jurisprudência de uma forma geral não tem. Acho que é isso. Muuuuito chata esta questão.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://forumdosconcursos.hpg.ig.com.br
oculto
classe C
classe C


Número de Mensagens : 369
Data de inscrição : 05/01/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Sex 18 Abr 2008, 15:31

Citação :
182 - O princípio da eficiência relaciona-se com o modo de atuação do agente e com o modo de organização e Estruturação da administração pública, aspectos cujo conteúdo identifica-se com a obtenção de melhores resultados na relação custo versus benefícios e com o satisfatório atendimento das necessidades do administrado.

Gabarito: CERTO

Apostila do Guerrinha:

"Princípio da eficiência - a emenda constitucional no19 apresentou um novo princípio o da eficiência, que tem aplicação material no art.41/CF, com a redação dada pela emenda, que assim dispõe:

Art.41 - são estáveis após 3 anos de efetivo exercício os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público.
§ 1 - O servidor público estável só perderá o cargo:
III - mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma de lei complementar, assegurada ampla defesa.

Maria Sylvia Zanella Di Pietro ensina que o princípio da eficiência apresenta-se sob dois aspectos: o primeiro atingindo o modo de atuação do agente público (espera-se o melhor desempenho possível de suas atribuições) e o segundo no que tange ao modo de organizar, estruturar, disciplinar a Administração Pública (visa alcançar os melhores resultados na prestação do serviço público).

O princípio da eficiência soma-se aos demais, não se sobressaindo a nenhum outro.

Alexandre de Moraes aponta várias características do novo princípio, com destaque:
- direcionamento da atividade e dos serviços públicos à efetividade do bem comum
- imparcialidade
- neutralidade
- transparência
- participação e aproximação dos serviços públicos da população
- eficácia
- desburocratização
- busca da qualidade"


Citação :
183- A expressão regime jurídico-administrativo, em seu sentido amplo, refere-se tanto aos regimes de direito público e de direito privado a que se submete a administração pública quanto ao regime especial que assegura à Administração pública prerrogativas na relação com o administrado.

Gabarito: ERRADO.

Desconfio que o erro está em "direito privado". Fica em aberto para quem quiser comentar.

Veja a síntese que o professor Marcelo Alexandrino faz sobre sobre regime jurídico-administrativo ao comentar a prova para Procurador do BACEN/ESAF/2002 (retirado daqui: http://www.pontodosconcursos.com.br/professor.asp?menu=professores&busca=&prof=4&art=548&idpag=12). Apesar do comentário ser a respeito de uma prova da ESAF, a explicação serve para entender o tema.

"Essa questão (Procurador/Bacen/Esaf/2002) versa sobre um tema muito bonito, que tem sido exigido, sem exceção em todos os últimos concursos organizados pela ESAF: o regime jurídico administrativo.

Na minha opinião, quem melhor trata desse assunto é o excepcional Celso Antônio Bandeira de Mello.

Farei a breve exposição abaixo com base na lição desse insigne administrativista.

O denominado regime jurídico administrativo nada mais é do que o regime de Direito Público em geral, acrescido das características que o especificam como “administrativo”.

O regime jurídico administrativo é regido por dois princípios basilares: (1) supremacia do interesse público sobre o privado; e (2) indisponibilidade dos interesses públicos.

As principais decorrências do princípio da supremacia do interesse público sobre o privado (verticalidade nas relações Administração-particular) são:

a) a possibilidade de a Administração criar obrigações para os particulares, por meio de ato unilateral, como ocorre, por exemplo, na emissão de uma notificação para o proprietário de um terreno construir calçada em frente a ele;

b) a possibilidade de a Administração modificar, unilateralmente, relações já estabelecidas com os particulares, de que é exemplo mais significativo a prerrogativa de alteração quantitativa unilateral do objeto de contratos administrativos, cláusula exorbitante expressamente consagrada na Lei nº 8.666/1993;

c) a presunção de veracidade e legitimidade dos atos administrativos, que tem como conseqüência a transferência ao particular do ônus de alegar e provar eventual vício, além da regra geral segundo a qual as reclamações e recursos contra atos e decisões administrativas somente possuem efeito devolutivo;

d) o poder de autotutela, em razão do qual pode a Administração revogar seus próprios atos administrativos mediante manifestação unilateral de vontade quanto à sua oportunidade e conveniência (respeitados os direitos adquiridos) e deve a Administração anular seus próprios atos quando viciados;

e) prazos maiores para intervenção ao longo de processo judicial;

f) prazos especiais para prescrição das ações em que é parte o Poder Público;

g) as diversas formas de intervenção na propriedade privada, como a desapropriação, a requisição, o tombamento etc.

Celso Antônio B. de Mello enfatiza que esse conjunto de prerrogativas somente existe a fim de possibilitar à Administração o desempenho de suas competências. Nenhum poder é dado ao Estado sem alguma finalidade, vale dizer, não se admite exercício de poder pelo Estado sem que esse exercício tenha por fim, exclusivamente, o atendimento de um interesse público.

O autor defende a utilização da expressão deveres-poderes (e não poderes-deveres, como é tradicional), a fim de enfatizar que o Estado tem, de forma originária, deveres; os poderes que se lhe atribui existem tão-somente, e na medida em que estritamente necessários, para o fim de assegurar o cumprimento desses deveres. Esses deveres-poderes são instrumentais, assecuratórios do exercício da função administrativa, exercida no interesse alheio (interesse público), e não no da pessoa que exerce o poder. Enfatiza-se o aspecto finalístico das prerrogativas da Administração.

Obs.: No regime jurídico de Direito Privado verifica-se a horizontalidade das relações jurídicas, ou seja, há igualdade jurídica das partes na relação jurídica.

As principais características do princípio da indisponibilidade do interesse público são:

a) a Administração não é titular do interesse público (sua atividade é de gestão de coisa alheia), mas sim o Estado, que o manifesta por meio do Poder Legislativo (lei), onde têm assento os representantes do povo (é duro, no Brasil, fazer uma afirmativa tão visivelmente destoante da realidade);

b) a Administração está subordinada à lei e aos atos normativos que ela mesma edita (e que não podem desbordar da lei);

c) o princípio implica a obrigatoriedade do desempenho de atividade pública, que tem como corolário o princípio da continuidade dos serviços públicos;

d) são decorrência da indisponibilidade do interesse público a inalienabilidade e a impenhorabilidade dos bens públicos;

e) é também decorrência do princípio a impossibilidade de transferência da titularidade de serviço público a particulares (o que pode existir é a delegação da execução, como ocorre nos contratos de concessão)."



Citação :
184 - Nas sociedades de economia mista interventoras no domínio econômico, uma compra relacionada com sua atividade-fim exige licitação, ao passo que a relacionada com sua atividade meio dispensa o procedimento licitatório.


Gabarito: ERRADO.

Acho que só é dispensável de licitação as hipóteses enumeradas no art.24 da lei 8.666/93. Esta hipótese levantada pela questão sobre a sociedade de economia mista não está lá. Acho que é esse o erro.
"Lei 8.666/93 - http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8666cons.htm
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://forumdosconcursos.hpg.ig.com.br
oculto
classe C
classe C


Número de Mensagens : 369
Data de inscrição : 05/01/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Sex 18 Abr 2008, 16:12

Citação :
185 - O controle das empresas estatais cabe ao ministério a que estiverem vinculadas e se materializa sob a forma de supervisão, estando previstos, ainda, na Constituição Federal de 1988, outros instrumentos de controle que são aplicados de acordo com as condições nela estabelecidas.

GABARITO: CERTO

Esta fiquei na dúvida. Alguém poderia comentar? É supervisão mesmo?


Citação :
186 - Ato complexo é o ato que se aperfeiçoa pela manifestação da vontade de dois órgãos, sendo a vontade de um instrumental em relação à vontade do outro, que edita o ato principal.

Gabarito: ERRADO

Veja o diz a apostila do Guerrinha:

Ato Complexo - é aquele que para existir depende da conjugação da vontade de mais de um órgão. Ex: decretação do estado de sítio.

Ato Composto - é aquele que para existir depende da vontade de um único órgão, mas que para se tornar ou continuar exeqüível, exigirá a manifestação de outro órgão. Ex: decretação do estado de defesa.



Citação :
187 - A discricionariedade do ato administrativo decorre da possibilidade legal de a administração pública poder escolher entre mais de um comportamento, desde que avaliados os aspectos de conveniência e oportunidade.

Gabarito: CERTO

Só pra lembrar a matéria, eu copiei este pedaço da apostila do Guerrinha:

"Poder Discricionário - é aquele que o direito concede à administração Pública para a prática de atos administrativos com liberdade na escolha de sua conveniência, oportunidade e conteúdo.

Distingue-se do poder vinculado pela maior liberdade de ação que é conferida ao administrador. Se para a prática de um ato vinculado a autoridade pública está adstrita à lei em todos os seus elementos formadores, para praticar um ato discricionário é livre, no âmbito em que a lei lhe concede essa faculdade.

Como exemplo do exercício do poder discricionário, temos a nomeação para cargo em comissão, ato em que o administrador público possui uma liberdade de escolha, ou seja, pode nomear aquele que for de sua total confiança, não se exigindo nenhuma seleção prévia.

O ato administrativo, possui 5 elementos: competência, objeto, forma, motivo e finalidade. Nenhum ato será discricionário em relação a todos os elementos, pois no que se refere à competência, à forma e à finalidade, o ato será sempre vinculado. Já os elementos objeto e motivo podem ser vinculados ou discricionários, dependendo do ato analisado.

Assim, a discricionariedade não alcança todos os elementos do ato administrativo, pois em relação à competência, à forma e à finalidade do ato a autoridade está subordinada ao que a lei impõe.

VINCULAÇÃO: competência, objeto, forma, motivo e finalidade
DISCRICIONARIEDADE: objeto e motivo "
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://forumdosconcursos.hpg.ig.com.br
oculto
classe C
classe C


Número de Mensagens : 369
Data de inscrição : 05/01/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Sex 18 Abr 2008, 16:23

xlaine escreveu:
Com r e lação a licitações e a contratos administrativos, julgue os itens a seguir.

188 - Em raz ão do princípio da individualização da pena, não é possível a aplicação da teoria da desconsideração da pessoa jurídica para que os efeitos da sanção administrativa de declaração de inidoneidade para contrat ar com a administração pública sejam estendidos a uma nova sociedade constituída, embora ela tenha mesmo objeto social , mesmos sócios e mesmo endereço de outra empresa punida com essa sanção.

Gabarito: ERRADO.

Alguém poderia comentar essa? É possivel isso o que fala a questão?


Citação :
189 - O princípio do julgamento ob j etivo relaciona-se com os dispositivos da Lei n.º 8.666/1993, que estabelecem os critérios de julgamento das propos t as com base no tipo de licitação, materializa-se no edital da licitação, no qual são definidos os critério s para a pontuação dos participantes do certame ou para a seleção da proposta mais vantajosa.

GABARITO: CERTO


"JULGAMENTO OBJETIVO:
Art. 44. No julgamento das propostas, a Comissão levará em consideração os critérios objetivos definidos no edital ou convite, os quais não devem contrariar as normas e princípios estabelecidos por esta Lei.

Art. 45. O julgamento das propostas será objetivo, devendo a Comissão de licitação ou o responsável pelo convite realizá-lo em conformidade com os tipos de licitação, os critérios previamente estabelecidos no ato convocatório e de acordo com os fatores exclusivamente nele referidos, de maneira a possibilitar sua aferição pelos licitantes e pelos órgãos de controle.

Quando da análise da documentação referente à prova da habilitação formal, bem como do julgamento das propostas, a comissão de licitação deverá se pautar em regras objetivas de julgamento, devidamente previstas no instrumento convocatório. Com isso, se reduz e limita a margem subjetiva."

(Livro: Manual de Licitações e Contratos Administrativos / Alessandro Dantas Coutinho / Ed. Ferreira)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://forumdosconcursos.hpg.ig.com.br
oculto
classe C
classe C


Número de Mensagens : 369
Data de inscrição : 05/01/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Dom 20 Abr 2008, 15:40

xlaine escreveu:
Com relação a agentes públicos e a serviços públicos, julgue os itens que se seguem.

195 Os requisitos do serviço público identificam-se com o conteúdo dos princípios da permanência ou continuidade, da generalidade, da eficiência, da modicidade e da cortesia.

Gabarito: CERTO

cortesia? alguém sabe da onde ele tirou isso?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://forumdosconcursos.hpg.ig.com.br
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: QUESTÃO CAPCIOSA   Sex 30 Maio 2008, 20:13

oculto escreveu:
xlaine escreveu:
Considerando as fontes e os princípios constitucionais do direito administrativo e a organização administrativa da União, julgue os seguintes itens.

181 A jurisprudência e os costumes s ão fontes do direito administrativo, sendo que a primeira ressente-se da falta de caráter vinculante, e a segunda tem sua influência relacionada com a deficiência da legislação.

Que prova chata!!!! Eu marcaria errado mas o gabarito dá a questão como verdadeira. Fiquei na dúvida quanto a afirmação "a jurisprudência ressente-se da falta de caráter vinculante".

Só deu pra entender depois de consultar o dicionário. A palavra ressentir também pode significar "sofrer as conseqüências de algo". Acho que ele quer dizer que a jurisprudência sofre as conseqüências da falta de caráter vinculante. O que é verdadeiro. Apenas a súmula do STF tem caráter vinculante, a jurisprudência de uma forma geral não tem. Acho que é isso. Muuuuito chata esta questão.
OCULTO,
ACHEI ESSA QUESTÃO MUITO CAPCIOSA... MAS, ESTOU ESCREVENDO SÓ P DIZER QUE ACOMPANHO SUAS PARTICIPAÇÕES AQUI NO FÓRUM E ACHO MUITO INTERESSANTE A FORMA Q VC ESTUDA E ACOMPANHA AS QUESTÕES. ACREDITO SER ESTA A MELHOR FORMA P ESTUDAR MATÉRIAS COMO ADM E CONSTITUCIONAL. Parabéns!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Sex 30 Maio 2008, 21:44

[quote="oculto"]
Citação :
185 - O controle das empresas estatais cabe ao ministério a que estiverem vinculadas e se materializa sob a forma de supervisão, estando previstos, ainda, na Constituição Federal de 1988, outros instrumentos de controle que são aplicados de acordo com as condições nela estabelecidas.

GABARITO: CERTO

Esta fiquei na dúvida. Alguém poderia comentar? É supervisão mesmo?


VAMOS LÁ!
Oculto,
Acho q vc deve ter se confundido com a palavra VÍNCULO. Entre a administração indireta e e os entes da adm direta existe uma relação de vínculo, do tipo - SRF (MINIST DA FAZENDA) etc... Então, o ente da administração direta, ao qual é vinculada uma autarquia, uma EP ou SEM, exerce sobre estes uma SUPERVISÃO a fim de saber se estão atuando e alcançando os objetivos...
Vou pesquisar direitinho e trazer aqui um texto mais direto, ok?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Sex 30 Maio 2008, 21:47

oculto escreveu:
xlaine escreveu:
Com relação a agentes públicos e a serviços públicos, julgue os itens que se seguem.

195 Os requisitos do serviço público identificam-se com o conteúdo dos princípios da permanência ou continuidade, da generalidade, da eficiência, da modicidade e da cortesia.

Gabarito: CERTO

cortesia? alguém sabe da onde ele tirou isso?
[b]Vou dar um pitaco rsrs
Não seria a forma CORTÊS de tratar os administrados?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
oculto
classe C
classe C


Número de Mensagens : 369
Data de inscrição : 05/01/2008

MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Sab 31 Maio 2008, 19:19

xlaine escreveu:
oculto escreveu:
xlaine escreveu:
Com relação a agentes públicos e a serviços públicos, julgue os itens que se seguem.

195 Os requisitos do serviço público identificam-se com o conteúdo dos princípios da permanência ou continuidade, da generalidade, da eficiência, da modicidade e da cortesia.

Gabarito: CERTO

cortesia? alguém sabe da onde ele tirou isso?
[b]Vou dar um pitaco rsrs
Não seria a forma CORTÊS de tratar os administrados?

Provavelmente é isso mesmo. É a forma cortês de tratar os administrados. Mas onde está isso? Qual é a lei? é a 8112?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://forumdosconcursos.hpg.ig.com.br
xlaine
moderador


Número de Mensagens : 229
Data de inscrição : 28/02/2008

MensagemAssunto: LEI 8112   Sex 06 Jun 2008, 11:58

oculto escreveu:
xlaine escreveu:
oculto escreveu:
xlaine escreveu:
Com relação a agentes públicos e a serviços públicos, julgue os itens que se seguem.

195 Os requisitos do serviço público identificam-se com o conteúdo dos princípios da permanência ou continuidade, da generalidade, da eficiência, da modicidade e da cortesia.

Gabarito: CERTO

cortesia? alguém sabe da onde ele tirou isso?
[b]Vou dar um pitaco rsrs
Não seria a forma CORTÊS de tratar os administrados?

Provavelmente é isso mesmo. É a forma cortês de tratar os administrados. Mas onde está isso? Qual é a lei? é a 8112?
PROVAVELMENTE, É NA LEI 8112, POIS NO ESTADO, O QUE DIZ ISSO É O ESTATUTO DOS SERVIDORES DO ESTADO...

Do Regime Disciplinar

Capítulo I

Dos Deveres

Art. 116. São deveres do servidor:

I - exercer com zelo e dedicação as atribuições do cargo;

II - ser leal às instituições a que servir;

III - observar as normas legais e regulamentares;

IV - cumprir as ordens superiores, exceto quando manifestamente ilegais;

V - atender com presteza:

a) ao público em geral, prestando as informações requeridas, ressalvadas as protegidas por sigilo;

b) à expedição de certidões requeridas para defesa de direito ou esclarecimento de situações de interesse pessoal;

c) às requisições para a defesa da Fazenda Pública.

VI - levar ao conhecimento da autoridade superior as irregularidades de que tiver ciência em razão do cargo;

VII - zelar pela economia do material e a conservação do patrimônio público;

VIII - guardar sigilo sobre assunto da repartição;

IX - manter conduta compatível com a moralidade administrativa;

X - ser assíduo e pontual ao serviço;

XI - tratar com urbanidade as pessoas;

XII - representar contra ilegalidade, omissão ou abuso de poder.

Parágrafo único. A representação de que trata o inciso XII será encaminhada pela via hierárquica e apreciada pela autoridade superior àquela contra a qual é formulada, assegurando-se ao representando ampla defesa.

TALVEZ ESTEJA SUBTENDIDO NA PALAVRA URBANIDADE.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: TCU/ACE/2004   Hoje à(s) 06:35

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
TCU/ACE/2004
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» (UFMG - 2004) Conjuntos
» ITA - 2004
» ETAPA resolve-(Vunesp-2004)
» UFSM 2004 [ motoboy ...]
» (Fuveste-2004) - reservatório

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
FÓRUM DOS CONCURSOS ::  ÁREA FISCAL :: só dir. administrativo-
Ir para: